Alzheimer canino: quais os sintomas e cuidados que devo ter com meu amigo
Alzheimer canino: quais os sintomas e cuidados que devo ter com meu amigo

Alzheimer canino: quais os sintomas e cuidados que devo ter com meu amigo

Não é novidade para ninguém que nossos amigos peludos têm, muitas vezes, doenças e sintomas (retirada a palavra) parecidos com os que nós, humanos, apresentamos. Mais um exemplo desses problemas é o Alzheimer. Sim, nossos cachorros estão sujeitos a desenvolverem o Alzheimer canino. Mas quais os sintomas que posso observar? Como cuidar?

Hoje vamos apresentar a você dicas de como ajudar o seu melhor amigo a enfrentar essa doença. O Alzheimer canino é uma desordem neurodegenerativa com características parecidas com as que os humanos apresentam.

O processo de envelhecimento do cachorro se inicia, em média, a partir dos sete anos de vida, o que inclui, normalmente: a perda de visão e audição, diminuição da energia, aumento das horas de sono e maior dificuldade em se locomover. De acordo com estudos, mais da metade dos cachorros que ultrapassam os 15 anos de vida podem vir a sofrer com Alzheimer canino.

O Alzheimer canino é um processo degenerativo do sistema nervoso central

O peludo que sofre com essa doença apresenta algumas mudanças no seu comportamento por causa do processo degenerativo do sistema nervoso central como a perda de memória, desorientação, alterações psicológicas e até confusão e mudanças de sua personalidade.

Com a observação no dia-a-dia do seu cachorro é possível levantar a suspeita da doença. Confira alguns sinais:
- Não responde quando chamado
- Se desorienta, inclusive dentro da casa
- Não reconhece os membros da família
- Deixa de solicitar afeto e não procura chamar a atenção de seus donos
- Perde a vontade de brincar
- Parece sempre distante, olhando para o nada
- Tem atitudes repetitivas: dá voltas no mesmo lugar, perambula sem rumo, desloca objetos
- Fica preso entre os móveis sem poder sair
- Modifica sua rotina de sono: dorme mais e, em geral, durante o dia
- Durante as noites, ele pode caminhar e latir sem motivo aparente
- Faz suas necessidades fora dos lugares habituais, chegando a perder o controle dos esfíncteres.

Lembre-se que só o médico veterinário pode fazer o diagnóstico do Alzheimer canino

Lembre-se que só o médico veterinário pode fazer o diagnóstico da doença, por isso ao menor sinal de mudança de comportamento dele leve-o ao especialista. Além disso, ele poderá iniciar o tratamento que retarde a deterioração.

Como tornar o dia-a-dia do cãozinho com Alzheimer melhor
Cuidados simples e um pouquinho mais de atenção pode ajudar a diminuir o ritmo do desenvolvimento da doença.
- Proporcionando ao cão uma alimentação adequada.
- Incentivando a aprendizagem de novas condutas que visam uma rotina na qual o cão se sinta tranquilo e seguro.
- Estimulando sua mente com jogos e diferentes atividades.
- Interagindo com o animal de forma constante: falar com ele, acariciá-lo, e fazê-lo se sentir querido.
- Mantendo os passeios e levando-o para conhecer novos lugares.
- Colocando uma música para relaxá-lo e reduzir seus níveis de ansiedade.

É preciso falar com o cachorro, acariciá-lo, e fazê-lo se sentir querido.

Então, uma forma de devolver aos animais todo o bem que eles nos proporcionam, é acompanhá-los e cuidar deles durante a deterioração que a idade avançada acarreta. Continue acompanhando nosso blog para ficar por dentro de dicas e novidades do mundo pet.

Leia Também

Comentários

Deixe um comentário

* Campos Obrigatórios. Seu endereço de e-mail não será publicado.

* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *

SAIS Nº 08 - Sociedade Hípica de Brasília - Brasília/DF - CEP:70.610-000 | (61) 3345.8333 - 3346.8333 - 99221.8856