PANCREATITE CANINA
PANCREATITE CANINA

PANCREATITE CANINA

Nos animais, a apresentação clínica varia consideravelmente de acordo o grau da doença pancreática. Nos casos mais brandos, podem ser observados sinais subclínicos e autolimitantes. Se a doença for recorrente, com o tempo pode dar origem a pancreatite crônica. Animais com formas mais graves de pancreatite evidenciam, sobretudo, anorexia (91% dos casos), vômito (90%), fraqueza (79%), dor abdominal (58%), desidratação (46%) e diarréia (33%) (Hess, 1998). Os casos mais graves habitualmente também apresentam febre, dificuldades respiratórias, icterícia e choque cardiovascular. Em alguns casos observa-se o desenvolvimento de sinais cutâneos de paniculite associados, embora a paniculite esteja relacionada com neoplasia pancreática e não apenas com pancreatite (Steiner, 2003).

Na pancreatite crônica, os sinais clínicos podem resultar de disfunções endócrinas ou exócrinas, i.e., além de dor abdominal, também pode ser observada diabetes mellitus ou insuficiência pancreática exócrina (Watson, 2003).

Diagnóstico Laboratorial

Hemograma e bioquímica sérica

De modo geral, estes exames analíticos não são específicos para a pancreatite, embora sejam úteis para avaliar o estado geral do animal e excluir outras causas passíveis de provocar dor abdominal e vômito. As alterações bioquímicas variam de acordo com o grau de inflamação pancreática, ou seja, não há uma apresentação única. O hemograma pode revelar alterações compatíveis com uma resposta inflamatória aguda. Em 55% dos casos de pancreatite severa é observável leucocitose com desvio à esquerda. No entanto, também pode verificar-se leucopenia devido ao sequestro de neutrófilos para a zona inflamada ou para o líquido abdominal (Hess, 1998).

De um modo geral, a bioquímica sérica revela um aumento moderado das enzimas pancreáticas (lipase, amilase), alterações eletrolíticas (compatíveis com desidratação e vômito), azotemia, hipoalbuminemia, hipocalcemia (devido aos depósitos de cálcio nas áreas necrosadas) e hiperglicemia (Steiner, 2009).

  •  A dosagem da lipase é considerada um teste útil para o diagnóstico de pancreatite, no entanto apresenta grandes limitações (Tabela ABAIXO), os valores referidos para a lipase são: sensibilidade 73% e especificidade 55% (Steiner, 2003).
  • A avaliação da amilase é semelhante ao da lipase, uma vez que também não possui níveis ótimos de sensibilidade (62%) nem de especificidade (57%). Se a dosagem de lipase e amilase for efetuada no líquido abdominal, no geral apresenta valores mais elevados que no plasma.
  •  Outras alterações bioquímicas relacionadas com as consequências da pancreatite e/ ou passíveis de causar pancreatite são hipertrigliceridemia, hipercolesterolemia, hipercalcemia e hiperglicemia.
  • ·         Um teste específico para a lipase pancreática canina (cPLI – canine PancreaticLipase Immunoreactivity) foi recentemente lançado no mercado, encontrando-se disponível para a maioria dos Médicos Veterinários. Este teste apresenta uma excelente sensibilidade (83%) (Steiner, 2001).
  • ·         A análise da urina revela um aumento da densidade específica, secundário à desidratação. No entanto, em certos casos de insuficiência renal, a urina pode não estar concentrada, observando-se vestígios de cálculos no sedimento e proteinúria (Steiner, 2003).

tabela-pancreatite

Leia Também

Comentários

Deixe um comentário

* Campos Obrigatórios. Seu endereço de e-mail não será publicado.

* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *

SAIS Nº 08 - Sociedade Hípica de Brasília - Brasília/DF - CEP:70.610-000 | (61) 3345.8333 - 3346.8333 - 99221.8856